segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Cortejo à amante

Pontualmente, às 20h, ele entra em minha casa e deixa o passar da rua pelo portão. Senta-se no sofá e vê da janela um céu emoldurado por tropo do tempo que nunca morre. Pergunta-me se sempre haverá estrelas. E eu, crente, digo que mesmo lá, haverá.  Observa a casa em ordem de rotina, o tapete que recebe os pés com prazer e o silêncio das cumplicidades que nada dizem em palavras. Olha as paredes em cores. Gestualmente, ama-me imóvel, afável somente por ser e ali estar.

O sol crepitante, a chuva fina, o vento morno , a trovoada firme, a primavera leve, os pequenos raios - de luz ou luz.

Pontualmente, às 22h ou 22h10, ele passa em frente à rua de minha casa e para em frente à porta. Fica ali de pé, olhando as janelas carcomidas pelo tempo. Curto tempo. Observa o portão, com seus canos retorcidos ornadamente. Verifica o contorno da casa, o desvanecer das cores das paredes;  o capim que cresce em desordem, imperioso. Ele não vê caminho para a entrada - mas procura. 

Então, percebe que são horas, e que se ela souber que ele ainda ali está, diariamente, desmoronará todo o imperioso castelo de areia. Ela é feita de água e pó. Onde ela mora, não há estrelas. Mas o céu, ah, o céu! é sempre de um azul cintilante, como o da parede branca. 

4 comentários:

Rafaela Lopes disse...

Encantador Fê. Você escreve tão lindamente!

Fernanda disse...

Obrigada, Rafaela! Que bom que você gosta! :)
Bjs

Felipe Silveira disse...

Sinto a beleza de cada amarra. Cada palavra lapidada com delicadeza. Mas só a hora me escapa. Mas com céu tão pronto para à s estrelas, quem se lembra da medida do tempo.
Lindo!
Felipe

Fernanda disse...

Obrigada, Felipe!:)
Bjs

 
Creative Commons License
Degustação Literária by Fernanda Fernandes Fontes is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.