quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Aborto - Final

"A vida inteira que podia ter sido e que não foi". Manuel Bandeira

Tempos depois, em casa.

Seu rosto sangrava. Como se se tratasse de um teatro sem graça, reagia incólume ao ato.

Sinto meu ventre se expandir a cada dia.E me tomar as forças que me fazem viver. Vou me enchendo deste sentimento que não desejo. Deste filho que não nasce, apenas cresce. Até que eu acabe com ele, ou o contrário.

Pingam uma, duas...e o branco se torna rubro à falta de expressão daquele rosto.

Não, não posso suportar . Não aguento acalentar a espera que suprime meu futuro. Acalentar o fruto de um amor que foi desejado, não mais é. Um amor marcado agora por longos silêncios. E pela ausência que me alimenta, fazendo com que meu ser seja tomado pouco a pouco.

Levanta. Rasteja cambaleante por todo o quarto. Precisa passar.

Passo noites embalando meu peito, me sentindo insegura e triste. Solitária. As noites se tornaram exercícios mecânicos repetitivos que buscam explicações, projeções e um futuro. E nada encontra. Vaga, simplesmente. E não adormece.

O céu está ocre. Lacrimejam seus olhos. Ora:

Lânguida em seu terno abraço de candura. Aura leve, passo calmo. Quase um flutuar sobre as brasas intrépidas da existência. Cobre o inverno de minh'alma com a brisa fugaz do que chamo eternidade. Serena, caminhe ao meu lado ao passo desconhecido do que um dia repudiei. Abraça-me... leva-me contigo.

Perturba-se.

Quanta angústia sinto em meu peito! Procuro o ar, não encontro. Corro à janela. Abro-a, o tempo está seco. Nenhuma brisa, nenhum sopro. Desejo voar.

Vo(o)u para o término. Seria um começo.

A terra tem um calor gostoso, me enlaça como em um abraço. Não te tenho mais, ansiedade. Você não nascerá. Agora, descansarei sem ti. Eternamente.

Paz.

34 comentários:

Euzer Lopes disse...

...

Textos como esses me deixam sem palavras, porque eu tenho uma vontade muito grande de ser pai. Apenas não queria a mãe de brinde.
Então, quando vejo essa profusão de emoções, sensações e frustrações, fico profundamente angustiado.
Quisera eu ser o pai desta criança.
E de tantas outras que acabam sendo envolvidas pela terra, por sacos de lixo, virando comida de urubus em aterros sanitários...

Homenzinho de barba mal feita disse...

É bonito, mas é triste...
Tem um poema do Khalil Gibran q ele fala sobre as mães q abandonam os seus filhos em orfanatos. Ai ele diz q a mãe sofreu durante a gestação e, q teve o filho entre a loucura e o desejo. Mas q ñ tinha condições de dar uma boa educação. E no momento dificíl ela procura alguém para, que cuide melhor de seu filho. Ai ele completa dizendo, q nós ainda repudiamos as mães "sem coração" que abandona seus filhos...

Bjos!!!


visite:
http://hdebarbamalfeita.blogspot.com/

Jonatas Fróes disse...

Poxa, você sempre comenta no meu blog algo bacana e eu nunca consigo retribuir à altura. Preciso pegar um dia e ler suas histórias desde o começo, pra não perder o fio ou ficar sem uma compreensão completa... Só me falta um pouco de tempo pra isso! Mas prometo que vou fazer hehehehe

Preciso acompanhar uma desde o começo =P

Obrigado pelas visitas, e me desculpe pela falta, não é por mal! Acho realmente que você escreve bem.

;*

http://musica-holic.blogspot.com/

Flavitcho disse...

A gente deixa toda a agonia passar pra sentir a paz.
Porque aquilo vai maltratando, machucando, consumindo mesmo e a gente parece que nunca mais vai sentir essa paz. Até que ela vem, enfim. E parece que volta mais intensa que antes.
:)




Vai pegar selo lá no blog. :)
Beijo.

GUILHERME PIÃO disse...

Muito bonito este post, gostei.
Como o mundo é pequeno, andando de Blog em Blog vim parar aqui e vi que é de Divinópolis-MG...tenho vários parentes ai.
Conheço a cidade deste a década de 60, mas já faz uns 8 anos que não vou, gosto muito dai.
Abraços

Leandro Gatito xD disse...

Interessante!
autoria própria?
Muito bom!
Ótimo blog.

Roberto disse...

Parabéns! Muito bom o blog.
O texto, triste, mas excelente, nos faz pensar bastante. Mais uma vez, parabéns!

nicestthing disse...

O texto é lindo, porém é triste.
Ah, agonia... Assim como o Flavichto disse, pensamos que nunca mais vamos ter a paz, mas quando menos esperamos, ela nos aparece de maneira mais vísivel que antes.
Seu texto me fez viajar bastante, me surgiu vários pensamentos. Adorei! :)

Fernanda disse...

"A vida inteira que podia ter sido e que não foi".

É, o que sempre penso em relação à aborto é justamente isso, que vida a pessoa indesejada teria tido? quais seriam seus sonhos, o que ele poderia ter feito em prol da humanidade...

Henrique Mine disse...

É triste (acredito eu) para quem lê, o personagem ao que me pareceu, no final, não estava triste, logo, não é uma historia tecnicamente trágica. Embora seja.

Me fez ler quatro posts de dialogos poéticos hein?

^^


http://palhacadasaparte.blogspot.com/

Vlado disse...

É verdade, vou ler com mais calma este e os seus posts mais antigos mas parece que existe alguma semelhança mesmo. Eu proponho a gente fazer uma parceria de links, oq vc acha?

Gregory Vancher disse...

lindamente trágico.
Estou sem palavras para comentar sobre esse texto, ou melhor, todos os quatro textos que formaram essa 'obra'. Uma poesia em prosa que também serve de crítica: sensacional.

http://clik.to/otherside

Natty disse...

Gostei do texto, também estou sem palavras... mto lindo!

Erich disse...

Eu sou pai e passei junto com a minha Ex mulher por este turbilhão de sensações e emoções ... aprendi que é algo real e que mexe muito com as mulheres...mas tendo a paciencia divina, a recompensa é maravilhosa.

Emerson disse...

que legal seu blog, textos inspirados e chamativos, que tal uma parceria? o meu é www.emersonmaciel.blogspot.com se add ao seu me avisa que te add no meu. abraço e parabens

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Estou adorando estes textos.Vpocê é uma escritora nata.
Um grande abraço

Edu França disse...

Que texto sofrido, minha nega! Vc anda meio abalada nesses últimos tempos!

Victória D. disse...

É tão triste que chega a ser belo. É verdadeiro e utópico ao mesmo tempo. Eu gostei. Quero ler desde o início, e é isso que farei. Voltarei depois para ler mais algumas coisas.

Abraços.

suellen nara disse...

É interessante o modo como certas experiências nos faz pensar e refletir sobre a vida. Mais curioso ainda quando tudo isso nos motiva a escrever textos tão belos quanto esse. Gostei muito.

Abraço ;)

Levi Ventura disse...

Muito bom seu blog
Você está de parabéns
Amo o nome de seu blog
"Degustação Literária"

Luidi disse...

adorei o texto, em especial esta parte: "Não, não posso suportar . Não aguento acalentar a espera que suprime meu futuro. Acalentar o fruto de um amor que foi desejado, não mais é. Um amor marcado agora por longos silêncios. E pela ausência que me alimenta, fazendo com que meu ser seja tomado pouco a pouco."

como estou fora do tema, até por ler apenas a parte final, essa parte que passei pra cá me fez pensar.

beijos!

Vlado disse...

Já coloquei seu link lá também,valeu.
É bom ter um blog de qualidade na lista - e todos lá são - vai ficar mais facil para eu visitar aqui também.

Eu tinha te mandado um recado pelo orkut pq achei que você podia não ver meu comentário, já que foi em um post antigo, mas você foi muito rápida e no fim nem teria precisado...
abraços.

Alexandre disse...

Estou sem palavras......Triste, mas ao mesmo tempo alegre <---como isso é possível---> o texto me deixou um pouco frustado, mas é um bom texto....

Luidi disse...

Oi Fer!
Isso, geralmente quando eu viajo, trago uma descrição no meu blog. Dependendo do meu tempo livre e humor no dia, coloco vídeos, fotos e falo de alguns lugares que ainda não conheço tb, mas quero ir.
Beijão, boa noite!

Lucas disse...

Realmente incrível...
Inexplicavelmente perturbador e emocionante...

jlou disse...

cara... o que dizer? Existem palavras para refletir sobre isso? Eu não tenho... talvez pq nunca me passaria pela cabeça tal coisa!

Abraço!

www.jlouthings.blogspot.com

João Rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Rafael disse...

Oi Fernanda! Que bom que nos reencontramos por esse meio tão gracioso! É claro que lembro de você! Espero mesmo que esteja presente no fundo do mar, sempre será um prazer! As minhas degustações por aqui foram entorpecedoras e vigorosas, a ânsia me toma e a vontade de te ler já existe fortemente. Também estarei por aqui sempre! Beijos e abraços!

Anônimo disse...

legal o blog
;)

abraços
http://blogaragem.blogspot.com

Ronaldinho disse...

mesmo sendo algo que nos passe uma certa tristeza é algo que lemos e vemos que foi feito com gosto por alguem que domina o que faz, parabens

iA! acosta disse...

do calor da terra é que somos feitos! ou da ansiedade, talvez..

Rubens Mimoso disse...

Tirar o que tá dentro
Expulsar o que era pra ficar no peito
dilacerar a vida que tá matando
decepar a estranheza do sentimento

abortar pode ser bom

bjo

Lucas Soares disse...

É triste...=(
Pena que seja realidade!
Uma vida que nem teve a oportunidade de viver, e o pior: sem culpa nenhuma.

http://esperaemdeus.blogspot.com/

Ryan disse...

adorei seu blog ^^

não gosto de aborto ._.
mas não tenho opinião formada sobre isso

hm... eu lembro de um cara numa comunidade do orkut que na hora de comentar só diz que não leu

ele e seu blog de pérolas! se tiver ele como ultimo na página, ignore e passe pro de cima!

até

 
Creative Commons License
Degustação Literária by Fernanda Fernandes Fontes is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.