segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Parte

Durante muitas noites, bebi alegremente e conversei concentrada com um fantasma. Eu sorria, sorria e quando deixava de ouvir minha voz para que ele falasse, nenhum som se ouvia em nenhum lugar. Encolhia, eu encolhia meu corpo e chorava de medo: o fantasma existia, mas não falava.

Era uma companhia sempre presente ao longo do dia, mas era mesmo à noite que ele se apresentava com seu sorriso mudo e seus olhos abertos. Olhava- me, me fazia parte, o fantasma.

E sempre que eu, cansada, não mais queria falar, olhar para mim... e sempre que dele eu esperava um ato, um fato... meu desespero se fazia ouvir e eu enlouquecia sem razão, pois aquela era a minha razão.

O tempo passou e passou. Eu deixei as noites de lado, eu deixei o choro de lado, eu me deixei de lado, eu virei o lado e eu morri. Hoje, o fantasma habita minha alma. E vive comigo eternamente.

3 comentários:

tossan® disse...

Um dia pleno de utopias urbanas, como acreditar num pôr-do-sol em cada entardecer e no tempo de olhar pra ele e fazer poemas ao lado dos fantasmas! Muito bom Fernanda. Beijo

Dario B. disse...

Menos mal, sabe-se lá como viveriamos sem ele...

snagay disse...

wonderful site you have got, congratulation for your good job. Could you exchange link with my site? it is new, do hope you do not mind to exchange link
Here's mine
http://khdoc.blogspot.com/

http://khmergay.nibblebit.com/
http://amangay.blogspot.com/
cheer,

Khdoc news

 
Creative Commons License
Degustação Literária by Fernanda Fernandes Fontes is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.