sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Eu e o mundo

Não, meu coração não é maior que o mundo. / É muito menor. /Nele não cabem nem as minhas dores.
Drummond

Enterro o pensar em costumes.
Tentando acertar o que nunca seria.
Visto o olhar de assim será
Mascarando-o de será assim.

Nada é constante, além das auguras
De minh’alma.
Somente a dor é cíclica e me pertence.
Como pássaro que voa preso na limita liberdade de mim.

A terra que acolhe meus pés
Não sente; fluida vontades pouco permanentes.
Transita sentidos, passagens.
Não incrusta, navega na frouxidão das superfícies.

Mundo: o que farei pra ti?
Pressinto nossa queda; mas como?
A minha, ao chão; a tua... pra onde?
Preciso ver para nos salvar.

Meu olhar anda marejado;
Meu entendimento, concreto de cinzas, fumaça.
Não podemos fugir de nós.
Precisamos nos entender.

2 comentários:

i ILÓGICO disse...

salve a fernanda. de tudo.
e salve!

adoro seu texto. ritmo, paixão, profundidade, emoção...


aos poucos, bem aos poucos, vou me cabendo. e me sentir assim tão perto, às vezes resvalando em mim mesmo,
me sinto, me sinto, me sinto...
(pra você)

Penha disse...

Nem dá pra comentar,
È Lindo!!!

 
Creative Commons License
Degustação Literária by Fernanda Fernandes Fontes is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.