domingo, 17 de fevereiro de 2008

Ausência

Era dia quando a partida se fez
e você chegou.
Concretizou a imortalidade
leve e atroz de nuvens caudilhas.
Semeou o nada e preencheu o vazio
com um vácuo bater de asas...

Hoje choveu
e o sol nasceu.
Escuro, mas nasceu.
Opaco raiar verdejante
azul celestial.
Ouve:
_Houve compreensão!
E tudo se (des) fez
Porque quando dia, ela
cicatrizou
(mas não esvaziou!).

Um comentário:

Flavitcho disse...

Ausência que preenche o vazios e, quando chega o dia, ela continua lá, porque a partida ainda deixa as cicatrizes.

 
Creative Commons License
Degustação Literária by Fernanda Fernandes Fontes is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.