terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Dezembro 2007

Da última vez que o vi, dizia sentir frio. Havia uma grossa coberta sob seu fino corpo. Mas mantas não aquecem almas. Infelizmente, palavras também não. E o frio perdurou por mais algumas semanas, até que seu corpo aqueceu, e o coração aquietou. Ficou tão calmo, que adormeceu.

Despertei.

A casa vazia é cheia de sua presença. Na garrafa de café, faz-se notar seu rastro pelo físico e ausência pelo conteúdo. Não mais haverão pães com queijos quentes. Não daquele jeito. O bolo comprado “procêfia” não estará mais presente nas tardes. 

Pergunto-me como pode o silêncio soar tão alto nesta sala? Procuro um assobio longe, mas não o escuto. De repente, meu coração dispara, e é ele quem me faz ouvir um tamborilar na mesa, como aquela velha canção orquestrada pela presença de sua voz: "oi...ai...". Mas é só meu coração. Você não está.

A saudade me faz vê-lo abrir a porta e procurar o movimento da rua, para tentar por fim ao seu sossego... Mas ele sempre esteve dentro de ti, e foi levado contigo. 

Lembro-me de mexer em seus cabelos e pequenos fios, como neve, caírem ao chão. "Por quê?", me dizia em um olhar. E depois deitava, e deixava desprender sua alma aos poucos. 

Um dia, ela tomou velocidade e partiu, a parte que lhe pertencia, deixando a outra no vago olhar que buscava: "onde está o meu José?".

Todo o sempre que passo por aquela porta, espero você voltar da rua. Por favor, não demore. Eu te amo.

15 comentários:

fabricio disse...

Olá!!!
Apesar de mto triste,adorei esse seu texto!Consigo sentir exatamente o q vc m dizia em prantos.Lindo,mas triste!
bj...

Antonoly disse...

O seu texto está ótimo, escrito de maneira esplêndida, parabéns!

www.blogonauta1.wordpress.com

Felipe disse...

já aconteceu de comigo de acordar e não ter ninguem em casa, é tão... estranho...

jeremias disse...

Adorei seu texto, aliás seu blog inteiro. Você consegue passar sentimento atráves das palavras. Parabéns.

Abraços!

Victor Signorelli disse...

Pow.. bem lgl... romantico...
atraente seu texto =), embora triste.. esperançoso.. xD

ED CAVALCANTE disse...

EU SEMPRE ME PERCO UM POUCO EM RELATOS COMO ESSES QUE TRANSITAM PELO ABSTRATO! DO ALTO DA MINHA INCOMPREENSÃO, ME ATREVO APENAS A DIZER QUE SÃO BELAS PALAVRAS!

K.Rafael disse...

Belo texto. Triste, mas belo.

Douglas Lourenço disse...

muito bom, gostei bastante,muito bom texto e melancólico tbm.

natalia disse...

ola! seu blog ta mto legal! parabens e feliz pascoa

Daniel disse...

uau! que interessante mergulhar nas tuas sensações. Bom acompanhar o que tu sentes e transmites bem em palavras.
Deste outro sentido aos momentos que passate e, acredito, aliviaste a dor que talvez tenhas. Olhar o texto assim, pronto, faz com que a gente se veja fora da gente. É bom, não?

sucesso com o blog!

Antonoly disse...

Você escreve muito bem, de uma maneira que prende a atenção.
Beijos!

www.cineretro.wordpress.com

Naiara disse...

Bonito, porém, triste. Infelizmente ou não, existe poesia na tristeza... contemplo o lírismo da minha e da tua falta.

Até breve =*

TeLmA disse...

Bom blog, belo texto!

B.R.I.L.H.O disse...

Passeando por ai, caí aqui.
Adorei o texto e o blog.
Tb moro nessa BElo Horizonte!!!
Bejinhos

Larissa Bohnenberger disse...

Lindas palavras. E que dor tão sincera elas transmitem!
Você tem um talento incrível. Adorei conhecer este blog!
Voltarei com certeza!
Beijos!

 
Creative Commons License
Degustação Literária by Fernanda Fernandes Fontes is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.