segunda-feira, 2 de junho de 2008

Para viver mais

" Virem mares todos os sertões/que choram pedras aqui dentro./ Pra esse fogo que queima tão lento/ Vento, vento, vento". Vander Lee

Sofia estais presa.

Luz, voz, sons, multidão, alegria. Brindemos a vida! Sejamos felizes, dancemos a música que nada diz. Feche seus olhos, respire fundo. Queime por dentro.

Sofia estais livre.

Silêncio, vazio, solidão. Um barulho dentro de ti. Eu escuto, fique quieta! Percebe? O que grita dentro de ti?

Sofia és feliz?

Não desmaia, pensa! O que há com você? E as celebrações, a alegria, tudo roda, roda, roda. Por que não sorri?
Abra os olhos, esquece a multidão.

Sofia, o que procuras?
Sofia, o que está fazendo?
Olha pra mim, olha agora!


Levantou, tomou rapidamente seu café. Pegou sua pasta, seu casaco e desceu correndo as escadas. Precisava correr, mas sentia que deveria aproveitar mais um pouco do vento que insistia em fazer dançar seus cabelos. Não podia. Havia que correr ao encontro de sua alegria, do que realmente importava.
Começou a sentir uma correria dentro de si. Uma agitação conhecida, mas sempre nova, diferente. E começou a queimar.
O fogo começou a consumir sua cabeça e foi descendo por todo o corpo. Ninguém notava nada. E não era um fogo de purificação, mas de verdade, de espelho. Queimou até sobrarem cinzas a flutuar pela cidade.
Parou na calçada a descansar intensamente. Chorou e entendeu seu verdadeiro significado. Quem realmente era.
O fogo não purificou, mas as cicatrizes sim. Marcas que não serão apagas, não serão vistas. Retornou para casa. Para internamente descansar.

E a cidade continuou a comemorar o momento, o efêmero, o impalpável. Sem perceber que a poluição cinza que se fazia presente eram traços de abraços perdidos, de uma insensata sede de ser feliz.

6 comentários:

Catarina disse...

Aiii Fêee...
gostei hein?!
faz todo o sentido qdo a gent coloca na própria vida as suas palavras... e dessa vez, por sinal, mto bem ditas!
Certeza de que trarão mtas reflexões!


ARrAsOuu!!! rsrs
bjuuuu

Rubens Mimoso disse...

Tá triste? chora.....

Flavitcho disse...

"...uma insensata sede de ser feliz."
Que coisa mais bonita.
As vezes é bom sair correndo, do nada pra o nada.

Mas esse "nada" tem um significado... E é muito de cada um.

=]

Carol Wolff disse...

Olá! Tudo bom? Espero que sim.

Realmente gostei do tema do seu blog (sou louca por literatura)e o texto do post é muito bom!!!

Küsse ;***

Visite >> http://carolices.zip.net

Anônimo disse...

Buenas...
Tudo joinha Fernanda?!

Então se é amiga da Cat, deve ser bacana igual a ela!

Muito obrigado pela visita em meu blog.

Vi o video, achei mto bacana, e até comentei com a sua amiga sobre algumas coisinhas que queria agilizar sobre intervenções, anima?

bom, mto prazer aê..
agente se fala mais..

Bjaso..
Erick

Malaguetta disse...

eeu gostei ;D

 
Creative Commons License
Degustação Literária by Fernanda Fernandes Fontes is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.