domingo, 3 de maio de 2009

Ben(e)dita Bianca

Quando se quer dizer importante e não vês motivos para usar as palavras; quando o sentir transborda e escorre pelas valas de perdidas ruas; quando as flores murcham às mãos por não haver encontro; o homem ajeita as vontades e organiza o querer. Esvazia o pensar em um gole quente que faz escorrer dentro de si as amarguras das recusas de Benedita. E uma audição lamuriosa faz permanecer no coração o que ele recusa acreditar.

Nos braços de Bianca, além das quatro madrugosas horas, haverão as outras todas que viverá quando não tiver esse enganoso repouso.

E os céus cantam:

Oh Santa Bianca das amenidades imediatas! Valei ao homem os beijos negados de Benedita, o corpo que não encontrara a ofertar afagos valiosos. Sede virtude às ilusões do pensar que amores fulgazes cobrirão os eternos desejos não saciados. Tua paga virá em um céu de trocados sem valor e no esquecimento do que ocorreu nesta melancólica e desgraçada noite.

12 comentários:

C. Camargo disse...

querida, muitíssimo obrigado pelas belas palavras nos comentários do meu blog...

sua forma de escrever me encanta...

abs

http://hrbher.blogspot.com

Euphoria disse...

...como eu gosto de poesia escrita em prosa!

Filipe M. Vasconcelos disse...

Meu bem.. quantas coisas lindas eu estou vendo por aqui!!
Essa minha vida anda tão atarefada que não sei se a estou vivendo.. Fica complicado arrumar tempo para ser sincero nas leituras de seus versos.. Mas, por fim, me encontro em uma disponibilidade imperativa.. como que um vencimento contra mim próprio.. (bom, deixa eu parar de desabafar e comentar seus poemas..rs)

Ben(e)dita Bianca. Esse poema é forte.
O que será do homem cujos beijos Benedita negou e renegou..? O que será de Bianca, que acolhe no peito alguém cujo peito favorito é de outro alguém..?

ps. li e reli muitas vezes esse poema para que ele se arranjasse em minha cabeça.. é preciso exercício para entender seus poemas.. Eles são como uma mulher bela e difícil, complicada de se conquistar.. mas que ao ser compreendida, torna-se mais bela ainda..

Flavitcho disse...

existem duas de mim: a louca e a santa... uma de nós vai dormir, a outra levanta...(8)

Já dizia...
Eita, quem era mesmo? :x
Acho que Sandra de Sá. :X

©tossan disse...

Em várias letras
numa poesia
Abrir-se-ão
um leque de opções
num só argumento,
de nada vale
a vida sem
contemplação
da poesia!
tossan
Beijo

João Rafael disse...

Comento pelo fomento. Pelo contrário de não ter um comentário!

J. Araújo disse...

Passei aqui e adorei seu blog. Seus textos são maravilhosos.
Com certeza voltarei outras vezes.

Bjsss

mfc disse...

A ilusão é sempre a pior das soluções.

Kellen Corrêa disse...

Fernandinha
muito bom suas palavras! Adorei!
Beijos e muito sucesso!

Sandra S. disse...

És encantadora, a tua escrita não cansa, os olhos acompanham-na do início ao fim e, por vezes, volta ao início vezes sem conta.


:)
muito bem.

AC Rangel disse...

Vontade de saciar os eternos desejos de Ben(e)dita...

beijo

Gleidson Tadeu disse...

Ufa!!! é magnifico... é encantadora as linhas desse texto.
Faz com que imaginemos os desejos de Ben(e)dita.

 
Creative Commons License
Degustação Literária by Fernanda Fernandes Fontes is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.