quinta-feira, 16 de abril de 2009

Insensatez

_ É vermelho.
_ Não, é azul.
_ É vermelho.
_ Não, é azul.
_ Então descreve.
_
_ Descreve a cor!
_
_ Fala o que é a cor.
_ É azul.
_ O que pra você, é o azul?
_ É o meu sentir que lá está.
_ Feche os olhos.
_
_ É meu sentir vermelho.
_ Mas é azul.
_ Descreve o que sente, cria!
_ O que vem de tuas letras, é difícil.
_ E teu azul é uma ilusão.
_ Teu vermelho é uma mentira!
_ É a descrição do que vivi sob meu olhar.
_ E as letras difíceis?
_ Se o que escrevo é difícil, é porque sinto difícil.
_ E quanto ao vermelho?
_ É por si, nada posso com ele.
_ E o criar?
_ O criar? O criar doí a dor que há em mim.
_ Você não percebe.
_ Eu sinto o perceber.

12 comentários:

Rodrigo disse...

Mas o que é azul??

Cruzeiro???

Céu??

Mar??

Ou Tristeza??

Rodrigo Marques

Cultura Malcriada - disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cultura Malcriada - disse...

Olá!
Muito legal o texto... bem criativo mesmo! Acho que mostra o quão diferente são as percepções de cada coisa para cada um. Demais!
Até!

Alam Oliveira disse...

Semiótica Idiota!
Explica o azul desta cadeira para um cego de nascença, não é tangível.
Quem me garante que o vermelho que vós verdes é o mesmo que eu vejo?
A cor e a intensidade, bem como os sentimentos são inexpressáveis e intransmitíveis de forma palpável.

É tudo muito complexo e "compricadu"

Bju e tchauuuuuuU!

Pils disse...

vc consegue traduzir em vermelho e azul a ambiguidade da vida, das opiniões, das visões de mundo e dos "pensares"...teu texto é totalmente paradoxal...totalmente real...conseguiu retratar as vezes a minha confusão diante das coisas...isso reforça o q disse algum teorico mto sabio q ñ me recordo o nome..."q a poesia ñ é de quem faz , mas de quem precisa dela" depois q ali ficou sendo meio minha...bjs

Sr do Vale disse...

É Fernandinha, escolhestes os caminhos das pedras, e por onde passa sua sensibilidade, sente, e isso torna-se mais grandioso no sentir, e é por isso que certos momentos, dói.

Há uma pintura no partículas, em duas cores, vermelho e azul, há uma simbiose nisso.

abraços.

iilógico disse...

vai entender, vai...
e sentir o que é sentir?

fernando oliveira disse...

o Azul que no fundo é vermelho, eu vejo o crer da fúria das letras, uma espécie de pedido ao deus da literatura, escrever azul, pensando vermelho. Um belo exercicio metafórico.

Abraços

Fernando Oliveira

O Profeta disse...

Mas um beijo às vezes
Faz parar o tempo em seu desvario
Arranca mil sentires à alma
Voa no celeste preso em terno fio

Liberta esta lava incandescente
Transbordante em teu peito palpitante
Dá-te as asas de um pássaro azul
Transforma o eterno em sublime instante


Bom fim de semana


Mágico beijo

tossan disse...

Fernanda, o teu estágio poético está evoluindo tanto, quando te leio sinto o seu lirísmo à flor da pele. Beijo

Filipe M. Vasconcelos disse...

Fernanda.. que poema maravilhoso... tão envolvente... caramba.. é bem diferente das coisas que tenho lido ultimamente..
Parabéns..!!!

Luna disse...

E o criar?
o criar é uma mentira.
ou uma sensação.
ou a percepção.
Mas que diferença têm essas coisas mesmo?
dói. Isso iguala.

 
Creative Commons License
Degustação Literária by Fernanda Fernandes Fontes is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.